O Efeito Kate

Depois do efeito Lipstick, do índice Gisele, agora é a vez do Efeito Kate!

Segundo o site Vogue Brasil, no mês passado Kate Middleton, a duquesa de Cambridge, apareceu publicamente usando um par de brincos, digamos, populares que custavam cerca de R$ 150,00 (convertendo o valor para a nossa moeda). Como tudo o que a queridinha dos plebeus usa, os brincos se esgotaram em pouco tempo.Isso vem acontecendo já há algum tempo e há casos dos consumidores fazerem fila de espera para comprar a sua cópia do acessório usado ou mencionado pela princesa. Recentemente, a revista Time classificou a inglesa entre as 100 pessoas mais influentes do mundo (clique aqui para ler a notícia em inglês).

Esse tipo de fenômeno exemplifica bem a influência exercida pelas celebridades e a importância das marcas em manterem bom relacionamento com diferentes públicos para conseguir esse tipo de mídia espontânea e de altíssimo retorno para a marca. Cabe destacar aqui que os brincos mencionados eram de pedras falsas e ainda assim fizeram parte do look de Kate e ganharam o gosto dos ingleses.

E aqui no Brasil? Temos esse tipo de celebridade com altíssimo poder de influência? Quem vocês acham que seria capaz de estimular o consumo de determinados produtos pelos brasileiros e brasileiras?

Opinião do autor: gosto sempre de deixar claro quando falo de consumo, que não é concebível acreditarmos, em pleno século XXI, em um poder manipulador do consumo que “obriga” as pessoas ao comportamento consumista. Pelo menos em minha experiência de vida, nunca vi nenhum representante nem gerente de marketing carregando consumidor pelo pescoço e o obrigando a passar o cartão de crédito nas lojas para levar o produto anunciado. Se a maioria das mulheres compra diversos cosméticos e os alterna o uso, não é por “imposição da mídia”, mas por vontade própria.