FPS na embalagem é garantia de sucesso

Ainda na vibe dos fotoprotetores, afinal estamos na estação mais cosmética do ano, o verão, neste post trago um apanhado de uma matéria da revista Embalagem Marca, que narra a estratégia de mercado adotada pela Apex no lançamento de sua marca própria de fotoprotetores: o Perfect Sun.

A grande responsável pelo sucesso da marca é a embalagem com destaque maior ao FPS que a própria marca no rótulo. Dessa forma, a informação mais procurada pelos consumidores salta aos olhos, facilitando sua localização e identificação no ponto de venda.

Essa estratégia é muito válida, pois em geral os consumidores não gostam de ficar parados em frente a gôndolas comparando informações de rotulagem, a não ser que a intenção seja mudar de produto. É constrangedor ficar muito tempo parado em uma gôndola de supermercado ou farmácia, pois pode parecer que não sabe o que quer e deixa aberta a oportunidade para aquela famosa abordagem (detestada por muitos): “posso ajudar em alguma coisa?”

Além de atingir direto o público-alvo, esse posicionamento também permitiu destaque maior frente aos (gigantes) concorrentes líderes de mercado.

O desempenho de vendas inicial foi 65% maior do que o esperado! Sinal de que a estratégia pode realmente estar certa. E devido ao sucesso, neste ano a empresa expandiu a linha com uma versão infantil, protetor labial e gel hidratante pós-sol, e se prepara para conquistar também os mercados de São Paulo e Rio de Janeiro.

Quem também apostou nesta estratégia foi O Boticário, com o redesign da linha Golden Plus para o verão de 2010. Cujo impacto é diferente, pois os seus consumidores, dentro das lojas da franquia não têm sua atenção desviada para fotoprotetores concorrentes, mas a informação mais evidente do FPS torna mais fácil identificar nas lojas onde está o produto. Além de dar prosseguimento a eliminação de embalagens secundárias (os cartuchos de papel cartão onde os produtos vinham acondicionados anteriormente).

Opinião do autor: eu, particularmente, não gosto do layout. Acho que a marca perde (ou deixa de ganhar) credibilidade e pode ser facilmente copiada por um concorrente, gerando confusão ao consumidor, mas a estratégia deu muito certo. Foi uma saída inteligente que não deixou de seguir a legislação. Por exemplo, 30 é o nome do produto e abaixo vem o texto obrigatório: “FPS 30”, exigido pela RDC 237/02. Concordo mais com a abordagem d’O Boticário.

Fonte: Os números da sorte. Revista Embalagem Marca, dezembro, 2009.

1 COMENTÁRIO

Comments are closed.